College no Canadá – quer pagar quanto?

Padrão

(version in English)

“Olha o college barato! Quem quer? Baratinho! College baratinho!”
Jean Phelipe

Opa, futuros estudantes! Tudo bão?

Não sei se lembram, mas prometi escrever sobre uma opção econômica de college no Canadá. Se bem me lembro, a promessa foi feita há 321 anos atrás.
Seguindo a linha do João Kléber:

– Paaara, paaara, paaaara! Depois dos comerciais!

Antes disso, deixa eu só resumir qual é a nossa (esposa, “tamu” junto!) situação atual em relação a meta canadense.
O college já foi escolhido, o curso também. Quanto ao teste de proficiência do inglês, desisti do IELTS e parti para o TOEFL. Já tenho o resultado em mãos!
E por fim, já iniciei o processo de aplicação junto a instituição de ensino.

– Isso significa que consegui a nota requerida na prova do TOEFL?
– Significa! =)

Ainda vou escrever um post dedicado ao TOEFL, como me preparei, como foi o dia da prova, etc. Prometo que não vai demorar mais 4312 anos! hehe
A verdade é que inúmeras situações, novidades, desfechos, desilusões ocorreram nesse período e as postagens não estão acompanhando. Aos poucos atualizo tudo por aqui.

– E voltamos dos comerciais ao vivo pra você, querido leitor. Momentos de tensão, meu povo! Qual será o nome do college que o blogueiro (de *erda!) Jean tanto esconde? Eu quero imagens! Põe na tela!

pic2

É o Selkirk College! Aeeee!! \o/
Moçada, quero dividir a avaliação dessa instituição em duas partes, pontos positivos e negativos.

“Bora estudar lá!”
O ponto positivo mais interessante, definitivamente, é o custo. Para terem uma ideia da diferença gritante dos preços, comparemos com os custos dos colleges da região de Vancouver. Em média, um programa diploma de 2 anos em Vancity gira em torno de CAD$ 37,000. Sim, é caro! Por outro lado, no Selkirk, o preço fica por volta de CAD$ 20,000 pelos dois fucking anos!! Uma maravilha, não? =D
E se eu disser que o college ainda é público? Sabem o que isso quer dizer?
Que poderá solicitar o PGWP após o término dos estudos e trabalhar legalmente pelo mesmo período que estudou! =)

Além disso, as duas maiores cidades que possuem campus do Selkirk college são lindas, Castlegar e Nelson, ambas na província de British Columbia.

Castlegar – British Columbia

4-PBC-Castlegar-Scenic

Visão da cidade

syringa__park_01_640

Tem até praia por lá! =)

Pra ficarem na vontade, um vídeo de Castlegar.

Nelson – British Columbia

nelson bc canada alex grey allyson grey

Visão da cidade no outono.

lakeside-beach

Nelson também mostra sua praia!

E um videozinho mostrando as quatro estações na cidade de Nelson.

Sobre as praias, um detalhe: a água é doce! Perfeito pra quem curte abrir os olhos debaixo d’água. =P

Outro fator interessante é a opção de morar nos alojamentos do college. Não que isso seja exclusividade de Selkirk, mas é uma informação importante.
Em Castlegar,  para mais informações clique aqui. Já em Nelson, aqui. Em ambos os casos, o valor fica próximo dos CAD$ 2,000 por cada período (4 meses) do curso.

Alojamento em Nelson

Ah, o Selkirk college também fornece uma variedade grande de cursos. Anthropology, Biochemistry, Biology, Forest Technology, Gerontology, Music & Technology, etc. Se bobiar o número de cursos chega a 90. Como curiosidade, na época que Selkirk estava entre nossas opções, me interessei pelos cursos Forest TechnologyIntegrated Environmental PlanningRecreation, Fish and Wildlife. Já já esclareço porque enviei este college para o paredão e o eliminei do jogo, ok? =)

“Sai fora, Selkirk!”
Como tudo na vida tem o outro lado da moeda, o lado negativo, aqui não é diferente. Vamos ao chororô!
Quem assistiu ao vídeo de Castlegar provavelmente já sabe uma das desvantagens da escolha. As duas maiores cidades que possuem campus do college, juntas, não abrigam mais que 30 mil pessoas.
Nelson deve ter por volta de 15 mil habitantes e Castlegar 10 mil. E aí? O que tem a dizer sobre isso?
Na verdade verdadeira, isso é muito pessoal. Acabei deixando como ponto negativo, pois na maioria dos casos, os futuros estudantes querem trabalhar durante o curso. E claro, as vagas disponíveis serão reduzidas. E como estarão sozinhos por lá, a falta de opções diferentes de lazer e também de pessoas pode tornar a experiência mais complicada. Mas claaaro que isso depende exclusivamente de cada um, do estilo de vida e do gosto pessoal.

Pra quem prefere não arriscar em uma cidade tããão pequena, esse ponto não teria tanta importância se Castlegar (usarei essa cidade como referência) estivesse localizada próximo a alguma cidade maior, né? Entretanto, todavia, porém, contudo, no entanto, Vancouver fica a 620 km para o oeste e Calgary a 621 km para o leste. Bem na meiuca ali entre essas duas cidades! Então assim, não é perto não, sabe? hehe

Além disso, comparando com Vancouver, a viagem Brasil-Castlegar  adiciona mais uma escala na brincadeira, o que aumenta o cansaço da viagem e “espanta” ainda mais visitas de amigos e familiares. Afinal de contas, a passagem fica mais cara e mais demorada.
O roteiro da viagem seria, partindo de Belo Horizonte: Belo Horizonte – Rio de Janeiro (ou São Paulo); Rio de Janeiro (ou São Paulo) – Toronto; Toronto – Vancouver (ou Calgary); Vancouver (ou Calgary) – Castlegar. Ufaa! E o valor das passagens por volta de R$ 3000,00 o que pode chegar a R$ 1000,00 de diferença em relação a viagem para Vancouver.

Estava quase me esquecendo de explicar o motivo de ter riscado o Selkirk college da lista de opções. Primeiro porque amei Vancouver desde o início e segundo porque fiquei preocupado com o tamanho de Castlegar e o isolamento da cidade. Partiu Vancouver! =D

Assim a gente fecha mais um texto do Galgando, pessoal. E novamente, esse é o meu ponto de vista, vocês podem discordar nos comentários e propor novas ideias e caminhos. Será um prazer receber vocês por aqui! =)
Um forte abraço e até a próxima daqui há…hunmn…ah, deixa rolar! =P
Fui!

Anúncios

Cheap college in Canada

Padrão

(versão em Português)

“If you’ve been looking for cheap colleges in Canada, this is your place.”
Jean Phelipe

Hey, future students! How are you doing?

Probably you cannot remember that, but I’ve promised to write about an affordable college in Canada. If I’m not mistaken, the promise was made 321 years ago.

– The Galgando blog show is gonna take a little break and be right back in a New York minute.

I know you guys are eager about the college, but I’m going to use delaying tactics a little bit more. =)
The reason is that I’d like to sum up the current situation about our Canadian journey. Let’s get started!
The college was already chosen, and the program as well. I gave up to take the IELTS test and ended up taking the TOEFL one. Moreover, I’ve already got the scores!
Finally, I’ve already applied to a program at a specific college.

– Does it mean that I got the required score on the TOEFL exam?
– Yes, it means! =)

I’ll write a post about my experience on the exam later. In this post, I’ll tell you how I’d studied, how the day of the test was, etc. I promise you that you won’t wait for more 4312 years! hehe
The truth is that a myriad of situations, news, upshots, and disillusions have happened in this period of time and the blog is not up to speed with the latest information. I will go all out to update it from now.

– Hello folks, we are back now! Probably you guys are anxious to know what the college’s name, right? Ok, I won’t be a naughty boy and I’m going to tell you now…

It’s the Selkirk college! Hurrah!! =D
Guys, I’d like to state some negative and positive points about that instituition.

“Let’s study there!”
In my opinion, the chief advantage is definitely the tuition fee. To give you some idea of the difference between the costs, let’s compare Selkirk to the colleges from Vancouver. On average, a 2-Years diploma program in Vancouver costs around CAD$ 37,000. Yes, it’s expensive!
On the other hand, at Selkirk, the tuition fee is around CAD$ 20,000 for the two fucking years!! Awesome, huh?! =D
And if I told you that this college is a public one? Do you know what it means? It means that you’ll be able to apply to the PGWP after you finish your studies and work legally for the same time that you’ve studied! =)

Moreover, Selkirk college has a campus in Nelson and another one in Castlegar which are two pretty cities and they are both in province of British Columbia.

Castlegar – British Columbia

4-PBC-Castlegar-Scenic

View on city

syringa__park_01_640

There’re beaches there! =)

An amazing video about Castlegar.

Nelson – British Columbia

nelson bc canada alex grey allyson grey

View on city in Autumn

lakeside-beach

There’re beaches there too!

Four seasons in Nelson

A detail about those beaches: they are all freshwater beaches! So, if you enjoy to open your eyes beneath the water surface, it’s perfect for you! =P

Another interesting factor is the possibility you get to reside in the college residence. Of course, Selkirk is not the only one college that provide that, but even so, it’s something important to mention about.
In Castlegar, you can get further information about that here. In Nelson, here. You’ll pay around CAD$ 2,000 (per term) for that residence in both cities.

Student residence in Nelson

The Selkirk college also provides students with a variety of programs, such as Anthropology, Biochemistry, Biology, Forest Technology, Gerontology, Music & Technology, etc. I could be wrong, but I think that there are around 90 programs at Selkirk. Among that great number of programs, I had interested in Forest TechnologyIntegrated Environmental Planning, and Recreation, Fish and Wildlife, but I’m no longer interested. I’ll explain the reason later in this post, ok? =)

“Get out of here, Selkirk!”
Now, I’m going to talk about the drawbacks of this choice. Unfortunately, they’ll always exist!
If you’ve already watched the video about Castlegar above, you probably know what is the first drawback. Nelson and Castlegar, together, are home to no more than thirty thousand people. Around fifty thousand and ten thousand, respectively.
In all truthfulness,  this is very personal. I put it as a disadvantage because for the most part, future students want to work on something while they are studying. And obviously there will be less job positions available in those cities. Furthermore, if you’ll depart from your country alone, the lack of different places to have fun and the lack of people can become your experience more difficult. However, it depends on how you like to lead your life, your life style. Actually, it’s a matter of taste!

For people who are cautious and prefer not to take some risks, that point would not a drawback if Castlegar (as an example) was located closely to another big city. That’s not the case thought, because Vancouver is 620 km to the west and Calgary is 621 km to the east. They’re not that close, right? hehe

Moreover, if you (just like me) will come from Brazil, your trip will be more demanding in comparison to Vancouver. I mean you’ll have to endure one more stop, because after you come in Toronto, you’ll have to take a flight to Vancouver (or Calgary) and then Castlegar. There’re other routes that you can take (through USA), however you’d have to have an american visa to do that. In addition to that additional stop in your route, you’d pay more for the tickets. That difference between Castlegar and Vancouver could be up to CAD$ 1,000!

Oh, and before I forget, I’d like to explain to you guys why I removed Selkirk college from my list. First of all, I’ve loved Vancouver since I started to think about studying abroad. Secondly, the combination of tiny town plus the distance from bigger cities really worries me. So, let’s go to Vancouver! =)

That’s all, Folks! Please, comment below if you want to. It’ll be a pleasure to “hear” you!
Hugs and see you later! When is later? Good question! hehe
Relax and let it happen! =P
Bye bye!

Weigh your decisions, dude!

Padrão

(versão em português)

Hello, everybody! What’s up?

I know we should talk about that little town located in British Columbia (Canada) province with attractive study programs when it comes to prices, but…
But I live a thug life and we’re talking about another subject!
The power of our brain is amazing, eh? When we try to start an important activity and to focus on it, any distraction rips off our attention and brings us to a space travel to the ex-current-ex planet Pluto (all in all, is it a planet or not?!)
What about the legs? Restless, they don’t stop to wiggle. Would it be a symptom of the Unbridled Restlessness disease? Will it be? Yest, it is!
If you out there, yes, you, are one of that kind of people and have a laundry machine in place of your head, have a seat, because we have a lot to talk about! =)
Colored clothes staining others, clothes tying each other, going back on decisions, idea interfering others. It’s all quite messy!

In a small and mellow village located at the ends of Belgium, sitting on a stone bench stained by the myriad winters, an elder toothless man, as old as lovable, asks:

angry_old_man

– What the hell are you talking about, dude?! (with an impatient elder face)

Take it easy! I’m going to explain the reason for that reflection.
Have you ever heard the cliche “he’s 29 but he looks 18”? In my case it’s a tad different, and actually it’s “he’s 29 but he’s 18-year-old doubts”. That’s because I decided to travel through time, to the past specifically, pick up a new study program and then pursue a new career. Naturally, many questions pop up into our mind and even if we turn to our friends and family, and they try to help us by giving some advice, it’s up to us to decide. In fact, we and only we know deeply what we feel and what we need. Obviously, the last point (our needs) likes to fool us and play hide and seek with us, but I reckon it’s sort of an advantage. It makes us think wisely about it!

To be honest, I think that any career might be profitable, be that as it may the capitalist world wields enormous power over us and makes us question:

– What can I do? I ask you feeling powerless.

Well, we need to, as usual, use our good judgment and make a balanced decision. However I have a point of view slightly different about the set up of this balance.
In my opinion, “do what you like” is more important than the labor market.
Likewise, I reckon that the decision must be made primarily analyzing what really thrills you. Make a list of all the subjects that appeal to you and sort them in descending order of interest.
Tip: think back about your interests in high school.

Which courses did you really enjoy?
Which courses did you study with ease?

Thenceforth, sit in a mellow place, meditate, and reflect about it (the bathroom is always a great place to do it! =D). The objective of that reflection is to find out, among those subjects, niches and sub-niches of the market in which you really believe and look at excellent opportunities.
After that, go for it and rely on your luck! =D
Did you pick up on the difference? In the final scale’s set up won’t have two plates (subjects) of the same weight. As a matter of fact, the plate of your personal interest will be heavier, therefore it’ll be on a lower level than the plate of the labor market. Even so, they’ll be balanced. =)scale

Fellows, I’d like to remind you that it’s just a personal opinion from someone who doesn’t agree with the idea of throwing 1/3 of your life away working on activities that you don’t believe in, someone who doesn’t care about getting paid less but working with a beaming smile on my face throughout the day, who doesn’t care about material ambitions and last but not least someone who quests and yearns to be happier and serener day by day.

Let’s calibrate our scales, guys? =D
I hope you’ve enjoyed it! Hugs!

Pese suas decisões, parça!

Padrão

(version in English)

Olá, everybody! Firmes e fortes “nazatividade”?

Sei que nós deveríamos conversar sobre aqueeeela cidadezinha no interior da província de British Columbia (Canadá) com preços bem atrativos de cursos, mas…
Mas eu sou “lek doidão”, “vida loka” e conversaremos sobre outro assunto!
É tão interessante o poder do nosso cérebro, né? É só iniciarmos uma atividade na qual precisamos nos focar, nos concentrar, que qualquer interferência externa nos leva pra uma viagem espacial rumo ao ex-atual-ex-planeta Plutão (afinal, é planeta ou não é?!). E as pernas? Inquietas, não param de dançar pra lá e pra cá. Seria esse mais um sintoma da Inquietude Desenfreada (entenda aqui)?Será? É!
Se você aí, isso, você mesmo, é mais uma daquelas pessoas que possuem uma máquina de lavar ligada na velocidade 5 do “créu” no lugar da caixa craniada,  puxa a cadeira, temos muito o que conversar! =)
É roupa manchando a outra, é roupa embolando em outra, é decisão tomada sendo “destomada”, é ideia confundindo outra. Um embaralhamento sem fim! hahaha

Numa pequena e pacata vila localizada nos confins da Bélgica, sentado num banco de pedra corroído pelos incontáveis invernos, um ancião banguelo e tão velho quanto simpático indaga:

angry_old_man

– Mas do que diabos você está falando, sô?! (cara de idoso impaciente)

Caaaalma! Explicarei nos mínimos detalhes o motivo da reflexão.
Sabe aquele clichê do “29 anos com corpinho de 18”? Então, no meu caso é “29 anos com dúvidas de 18”. Isso porque resolvi viajar no tempo, para o passado especificamente, fazer um novo curso e por consequência seguir uma nova carreira. Naturalmente, vários questionamentos pipocam na cachola e por mais que amigos e familiares sempre irão dar pitacos tentando ajudar, etc, somente nós mesmos entendemos profundamente o que sentimos e o que precisamos. Óbvio que esse último ponto (o que precisamos) prefere nos fazer de bobo e brincar de pique-esconde atrás de algum neurônio, mas acredito que isso seja, de certa maneira, algo bom. Força a reflexão, o pensar!

Já demonstrei que sou da opinião de que qualquer profissão dá dinheiro (explico aqui), mas o mundo capitalista possui o poder do “cagaço” e nos induz a questionar:

– Escolho o que gosto ou pelo número de vagas do mercado de trabalho?

Apesar do meu “eu-nu”, aquele eu que vive num mundo sem a necessidade de dinheiro pra viver, escolher a primeira opção sem pestanejar, o sistema em que estamos atolados atualmente nos obriga a considerar a segunda linha de pensamento.

– E aí? Pergunto eu já sentindo esse tal poder do “cagaço”.

E aí é que precisamos, como tudo na vida, usar o bom senso e encontrar um ponto de equilíbrio. Porém tenho uma visão ligeiramente diferente sobre a configuração desse ponto de equilíbrio. Na minha concepção, o peso do “fazer o que gosta” é bem maior que o peso da quantidade de vagas que o mercado fornece.
Assim, acredito eu que a decisão deva ser tomada primeiro analisando o gosto pessoal.
Liste todos os assuntos que lhe agrade, de preferência por ordem decrescente de interesse.
Uma dica boa é utilizar o ensino médio como referência.

Quais matérias o motivava?
Quais matérias tinha facilidade em aprender?

A partir daí sente num local tranquilo, medite e reflita (o banheiro é sempre um ótimo lugar! =D). A intenção dessa reflexão é encontrar, dentro desses assuntos, nichos e sub-nichos de mercado nos quais acredita verdadeiramente e os quais enxerga como excelentes oportunidades.
Após isso, é correr atrás e contar com uma pitada de sorte! =D
Perceberam a diferença? A configuração final dessa balança não será a de 2 pratos no mesmo nível, ou seja, com mesmo peso. Na verdade, o prato do gosto pessoal por possuir maior peso na decisão estará num nível mais baixo que o do prato das vagas de mercado, porém ainda assim estarão equilibrados. =)

balanca

Amigos, lembrando que esse é só o ponto de vista de uma pessoa que não aceita o fato de jogar 1/3 da vida pelo ralo desempenhando atividades nas quais não acredita, que não se importa em ganhar menos para trabalhar com o que traz satisfação, que não é focado em ambições materiais e que busca incansavelmente ser mais feliz e tranquilo a cada dia. =)

Bora calibrar nossas balanças, moçada? =D
Espero que tenham gostado e um forte abraço!

Resetando a vida…

Padrão

Olá, galerinha do barulho!
Aprontaram altas confusões por aí? =)

Por aqui, a jornada rumo ao Sonho Canadense continua firme e forte! E temos uma grande novidade!
Combinando a minha eterna vontade de sair da área de TI e o início do novo processo de imigração canadense, o Express Entry, resolvemos trocar a estratégia. O objetivo final permanece inalterado, mudamos somente os meios para obtê-lo.

A maioria já deve saber (se não sabe, clique aqui) que o plano inicial era emigrar pelo FSWP (Federal Skilled Worker Program), utilizando a danada da minha profissão atual, analista/desenvolvedor de software. Isso mudou!
Passei um tempo nas montanhas tibetanas (leia-se sentado na privada) refletindo sobre a vida, sobre como quero estar daqui uns 5 anos e tive uma epifania.

Por que não adiar um pouco mais a ida, fazer um novo curso e por fim aplicar?

O processo vai encarecer (e muito!), porém por uma excelente causa!
A ideia é fazer um curso de 2 anos na área ambiental (sustentabilidade, recursos renováveis, agricultura orgânica, etc…) em algum college público e…

– Pera, pera! Por que público? Por que é de graça?
– Na vida, nada é de graça, afável amigo! Neste caso realmente não é! rs
No Canadá, instituições de ensino públicas e privadas são pagas. E para nós estudantes internacionais, bem mais caras!
Para terem um gostinho dos valores, o curso Sustainable Resource Management (2 anos) em Burnaby (região de Vancouver) custa CAD$ 35,270.60! Chupa “samanga” aí!
Já a opção pelo college público se dá pelo PGWP (Post Graduate Work Permit) que lhe fornece permissão de trabalho após o término dos estudos.
De forma resumida, se estudar 1 ano, ganha 1 ano a mais; 2 anos, de 2 a 3 anos a mais. Cada caso é um caso, mas em geral é assim que funciona!
Algumas instituições privadas também proporcionam esse “bônus”, mas nas públicas é mais garantido.

Prosseguindo…com o final do período estudantil, “it’s time to work”! Ao acumular 1 ano de trabalho (requisitos mínimos), você poderá aplicar para o CEC (Canadian Experience Class)!
Se nesse meio tempo obter uma oferta de trabalho oficial ou um convite de alguma província, já sairá com 600 pontos na frente dos outros amiguinhos no Express Entry! Awesome, eh?! =D

– Mas Jean, tem uma coisa que está me intrigando! Tá dando até queimação no estômago, sabe? É muito engraçado isso, né? Ai ai! Há!
– Que que foi?
– CAD$ 35,270.60 é muito jabaculê!!
– É sim! =/
Ando juntando por volta de 30% do meu salário todo mês! Valor de férias vendidas, 13º salário, 1/3 de férias, PLR, restituição do IR, pole dance na web…cof cof!!
Tudo que eu consigo economizar, juntar, gerar, etc vai pra Poupança Canadense. Mesmo assim, ainda não teria a grana para iniciar o college em setembro de 2016 (quando queremos ir).
Como diria aquele careca “quatro zói” lá:

“E agora, José?”

Primeiramente, preciso organizar melhor os pensamentos, pois algumas informações ainda estão meio vagas para mim. Especificamente sobre a comprovação que o governo canadense pede, ora leio que só é necessário grana para o primeiro ano, ora para todo o período e por aí vai!
Decerto, existem 3 opções claras: adiar por mais 1 ano (nãoooooo!!!), “extra money” ou abrir a mente e esquecer Vancouver por um tempo. Descarto a primeira até o último suspiro! Grana extra é o ideal, mas ainda sem sucesso. Ando “matutando” bastante sobre a terceira opção, inclusive encontrei um excelente curso numa cidadezinha do interior por menos de CAD$ 20,000.
Olha aí o sorriso abrindo lentamente! =)
Detalhes sobre essa opção deixo para o próximo post, onde falarei sobre essa misteriosa cidade, o curso, etc.

Ah, quase esqueci! Mudamos nosso discurso sobre o Canadá.

Antes da fama: “Vamos nos mudar para o Canadá!”
Depois da fama: “Vou estudar 2 anos no Canadá e meu amor (Bebel) vai junto!”

Depois disso vamos avaliar e decidir o que fazer! =)

É isso, amigos! =)
Espero que tenham gostado e lembrem-se: O poder da alma..não..a força de vontade…pera aí…ééé… quando se quer algo, a vida pode…fugiu aqui!…Abraço!

Aprenda inglês naturalmente

Padrão

Olá meu povo! Quanto tempo, hein! =D
O Galgando está de volta para acalentar o dia de todos vocês. \o/

Hoje gostaria de discutir um pouco sobre o aprendizado de línguas, com o foco na língua inglesa, o famoso english! =P
Acredito que a maioria já saiba, mas eu, a patroa e ainda sem crianças pretendemos nos mudar para o Canadá em breve. Para o processo que escolhemos, pelo menos o aplicante principal (eu) deve ter um inglês afiado, para não dizer fluente. Assim sendo, bora aos estudos! =)

Antes de mais nada, o que significa fluência em uma língua qualquer?
Eis a definição, de acordo com o pai dos burros:

s.f. Ação de fluir, fluidez. / Fig. Facilidade, espontaneidade no falar ou escrever: fluência de estilo.

De acordo com o conceito acima, fluência não significa, necessariamente, que você precisa conhecer totalmente o idioma. Caso isso fosse fundamental, nós mesmos não seríamos fluentes no português. Concordam?
Assumiremos então que fluência é você ter facilidade em expressar pontos essenciais de uma língua, mesmo que seu vocabulário não seja assim tão vasto e que não seja um especialista em gramática.
Não entendeu ou não conhece uma palavra em uma conversa? Peça para lhe explicar. Simples! =)

Sobre meu inglês atual, arrisco a dizer que tenho um nível intermediário baixo, fruto de um empenho maior na escola, cursos esporádicos e muitos games! =P
Na prática, reading intermediário, porém speaking e listening fracos. Inclusive isso é o que ocorre com muitos, visto que poucos treinam os dois últimos quesitos.

Dito tudo isso, que estratégia resolvi utilizar?
Foco na fluência e não em regras/gramática!

Em um primeiro momento, pesquisei bastante sobre as possibilidades e a conclusão que tirei logo de cara é a de que cursos tradicionais não encaixariam no meu objetivo.
Aplicando o filtro acima, cheguei em um método interessante e lógico de aprendizado, o método natural.

– Como ele funciona, teacher?

Imaginemos um bebê, o Little Mantis por exemplo. Até uma certa idade, ele não fala, só ouve e vê. Com esses dois sentidos, Little Mantis começa a entender as consequências de determinadas falas e assim inicia o seu processo de comunicação. Como podemos perceber, caros “Galgadores”, a criança não estuda gramática nem regras para se comunicar. Basicamente, esse é o método natural de aprendizado de uma língua.

No nosso caso, como já somos adultos (ou pelo menos deveríamos ser), o “solo” do nosso cérebro perdeu aquela fertilidade extrema que tinha quando éramos bebês. Em contrapartida, ganhamos experiência e inteligência que podemos combinar com foco resultando em algo “foderoso”!

Em algumas pesquisas, encontrei discussões sobre o período de silêncio (tempo que o bebê fica sem falar, só vendo e ouvindo) no aprendizado de adultos, mas acredito que o quanto antes começarmos a falar, melhor! Mesmo que errado!
Assim sendo, usemos um método natural customizado! =)

Para que não fosse um estudo sem roteiro, separei 3 cursos que poderiam servir de guia nessa jornada: o LingQ, o EffortlessEnglish e o EnglishAnyone.
Todos com o foco na fluência e disponíveis online.
Poderiam, então, questionar:

– Por que causa, motivo, razão ou circunstância escolher cursos online?
– Respondo com o maior prazer, professor linguiça. Tempo e comodidade!! =)

Também porque essa é a fase de testes, ou seja, tempo de ajustes e aperfeiçoamentos para que o método funcione cada dia melhor.

Essencialmente, a ideia do LingQ é repetir a lição (áudio/texto) inúmeras vezes até dominá-la.
A ferramenta lhe permite destacar palavras ainda desconhecidas para fixá-las através de quiz variados, porém com limite de 20 novas palavras por mês na versão gratuita. Testei a versão paga e não recomendo! Apesar da ideia ser interessante, o módulo do quiz ainda não funciona adequadamente, tornando o processo pouco intuitivo e até desanimador.

Next!

Com as duas opções restantes, optei pelo EnglishAnyone há 2 semanas atrás e estou bem satisfeito!
O curso segue o mesmo padrão de repetição: foco grande em assuntos menores.
O professor, o americano Drew Badger, costuma utilizar o verbo “master” para explicar o processo. Focus on it and master it! =)
Além disso, o inglês do curso é nativo, então esqueça os “Nice to meet you”. Vai aprender como realmente os nativos de língua inglesa se comunicam, através de histórias, sotaques diferentes para um mesmo texto, conversa real e aleatória entre amigos, etc. Claro que tudo isso organizado em assuntos/temas e com várias notas no vídeo (ou texto) explicando pontos importantes.

E a gramática? A gramática aprenderemos naturalmente ouvindo a mesma história contadas em tempos diferentes! =)

O kit de agosto veio com 6 lições (+ uma bônus) e o plano de estudo do Drew é: 5 dias para cada lição, fechando o mês. Toda lição possui o texto referente e além disso contém áudio ou aúdio/vídeo.
A didática do professor é excelente e ele sempre procura ensinar as “junções” entre as palavras para tornar o nosso inglês mais nativo.
Ainda está cedo para dizer se esse curso vai realmente me tornar fluente, mas posso afirmar categoricamente que a evolução está sendo interessante! =)

E como treinar o speaking? Pra mim isso é o mais difícil!
Não só por viver em país de língua portuguesa, mas, principalmente, pela timidez! rs
O segredo é não se importar com erros e falar! Falar, falar e falar!
Existem vários meios para encontrar “native english speakers” e destaco o Youtube, games online, Verbling e tutores. Para utilizar o Youtube, antes de tudo, é importante definir um assunto pelo qual você se interesse e tenha um certo conhecimento. Por exemplo, coleção de “iTunes cards“. Em seguida, deixe um comentário interessante no canal da pessoa e se obter resposta, prossiga com o diálogo. Quando oportuno passe a conversa para o Skype. =)
Não preciso explicar o segundo método (games online). O único problema aqui é a grande massa de crianças sem o pingo de educação e assunto, mas caso encontre alguém que valha a pena, invista.
Já no Verbling, você encontrará mais “english learners” do que “native english speakers” e isso não é bom! =/
Já encontrei canadense nessa ferramenta, portanto seja paciente que uma hora encontrará pelo menos bons “english speakers”. Por último, caso possua dinheiro disponível, você pode pagar por professores nativos em sua cidade ou mesmo em sites. No próprio Verbling você consegue contratar tutores nativos por cerca de $25 a hora.

Para estudantes com nível muito básico na língua, sei muito pouco o que pode funcionar. Uma possível ferramenta seria o Duolingo. Ele incentiva bastante as traduções, algo que eu tenho evitado, mas você pode experimentar.

Por fim, independente de qual curso escolher, tenha em mente que o sucesso depende muito mais do seu empenho ao utilizar os métodos do que do próprio método. Mescle cursos com filmes legendados em inglês, filmes sem legenda, vídeos no Youtube, músicas, etc. Com certeza alcançará suas metas! =D
Ah, estava quase me esquecendo! Se possível, tenha um motivo importante para o estudo. Estudo por estudo tende a desanimar. O meu é o Canadá e o seu? =)

E é isso, galerinha do barulho!
Foi só uma introdução sobre minhas experiências até o momento e lembrem-se: o que funciona pra mim pode não funcionar pra você.
Caso tenham dúvidas, entrem em contato. =D

Abraço a todos!
Até a próximaa! \o/

ECA, Canadá!!

Padrão

Olha o Galgando aí, gente! =D

Hoje será um “express post” (isso me lembra o último post, já leu? =D) a pedidos do Guilherme Bautto e Oscar. O assunto? Como obter o ECA (Educational Credential Assessment) canadense.
Então comecemos pelo começo…

– O que é esse tal de ECA?

Basicamente, o ECA é um relatório que valida seu curso (seja ele de graduação, técnico, etc) e faz a equivalência do mesmo em relação aos padrões canadenses.

– Para que serve?

No nosso caso, esse relatório serviria para o processo de imigração de trabalhador qualificado do Canadá, tanto o provincial quanto o federal.
Uma observação importante a se fazer é que atingindo êxito nesse processo, você já chega no país da “maple leaf” como morador permanente, ok? Conviva com isso! =)

Dito tudo isso, uma boa sugestão de primeiro passo para a longa jornada do sonho canadense, inclusive foi o meu, é a obtenção do ECA.
Para isso, devemos decidir com qual organização designada pelo governo do Canadá vamos trabalhar. Segue lista:

Todo o post será baseado no World Education Services (WES), pois foi esse que utilizamos. =)
Antes de tudo, cadastre-se no site do WES para receber uma espécie de número de matrícula, pois vai precisar dele no formulário que falarei abaixo! Além disso, já terá que pagar todas as taxas que no meu caso totalizaram CAD$ 203.40 (utilizei uma das formas mais baratas de envio de encomenda).

Bola pra frente!

A partir de agora serão duas frentes de trabalho, uma focada no histórico escolar e a outra no diploma.
A primeira delas, a do histórico, você dependerá bastante da instituição na qual estudou, pois o WES é bem enfático ao dizer que o documento em questão precisa ser enviado diretamente pela instituição de ensino. No link a seguir, terão todas as informações necessárias (como proceder), mas lhes contarei como foi nossa experiência. O WES fornece um formulário de pedido de registros acadêmicos (espie aqui) em que o requerente, no caso você, deve imprimir e preencher a parte superior do mesmo. Logo em seguida envie para a sua instituição de ensino para que eles preencham o restante.  É basicamente você pedindo o histórico escolar a sua universidade.

Obviamente entrei em contato com a minha universidade (a UFV) previamente explicando toda a situação. Por sorte, a UFV já emitia o histórico escolar em inglês e portanto não tivemos que traduzi-lo. Bela economia, pois a tradução deve ser juramentada e o preço é salgado! Voltarei no assunto quando chegar no diploma.
Com o formulário do WES e o histórico em inglês, a própria universidade os envia em um envelope carimbado, lacrado, colado e com sistema de segurança que utiliza a íris para liberação, para o endereço abaixo (adicionando a informação do “Reference No”):

WES Reference No.____________________

World Education Services
Documentation Center
2 Carlton Street, Suite 1400
Toronto, Ontario M5B 1J3
Canada

Exagerei sobre o envelope, mas foi só um pouco! Realmente é necessário o carimbo e o lacre (bem lacrado!), pois deve estar claro que o envelope em nenhum momento foi violado por alguém de fora da universidade, no caso você! rs
Primeira frente finalizada com sucesso!

Alguém poderia indagar:
– Oh Jean, metido a blogueiro, mas no seu caso foi muito fácil! Universidade com histórico original já em inglês, enviando para você sem nem pestanejar, assim até eu! E se a minha não fizer nada disso? Hein?! Hein?! Fala aí!
– Calma! Tudo tem uma solução, pequeno pônei! =)

  1. Se a sua universidade não emite o documento em inglês, você precisará buscar o histórico em português, traduzi-lo de forma juramentada e devolver a universidade.
  2. Na hipótese da instituição não puder/quiser enviar diretamente ao Canadá, teremos que apelar e utilizar técnicas do Pai Mei. Uma possível saída seria a de organizar o formulário e o histórico (se precisar de tradução), levar a instituição de ensino, pedir para que eles fechem em um envelope como mencionado acima e então você mesmo enviar ao WES, mas com o endereço da universidade como remetente. Piorando a situação, se não puder ir até sua escolinha, terá que resolver tudo isso via correio. Formulário pra lá, histórico escolar em português pra cá, histórico traduzido pra lá e no final? Como receber a documentação via correio para então enviar ao Canadá sem violar o envelope? Simples! Peça a universidade que lhe envie o envelope lacrado dentro de outro. Assim você poderá abrir o envelope externo sem violar o interno. Ufa!! =)
    Podemos, enfim, fechar a primeira frente? =P

A segunda frente trata do diploma, certo? Documento em mãos, encontre um tradutor juramentado em MG aqui. Em outros estados, pesquise nas respectivas juntas comerciais.
Só a tradução do meu diploma ficou em R$ 90,00. Sim, isso tudo! Para detalhes sobre a forma de cobrança em MG clique aqui. Em outros estados, já sabem né? rs
Finalmente, envie a cópia autenticada do diploma e a tradução juramentada para o mesmo endereço canadense mencionado anteriormente. Concluído isso, é só aguardar a resposta do WES e o querido e amado ECA! O meu acabou de chegar, no momento dessa postagem!! =)

Obs.: o WES agora exige que o “Reference No.” esteja presente em todos os documentos enviados.=)

É isso pessoal! Espero que tenha ajudado a todos, em especial ao Guilherme e Oscar.
Forte abraço e até o próximo post nesse mesmo blog e provavelmente não no mesmo dia e hora.
Fui!